segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Vai uma sauninha para relaxar?



         Sauna para relaxar...  Por que não? Se bem que em alguns lugares do Brasil sauna não seja algo visto com “bons olhos”. Aqui mesmo onde moro quando disse que gostava de sauna alguns começaram a me olhar de maneira atravessada e desconfiada... Sabe-se lá que tipo de sauna eles imaginam que seja.

         Mas para mim é algo que serve para relaxar, limpar os poros e ajudar a rejuvenescer a pele.

         Sendo assim, vamos lá... Pedalei por 15 km de bike à beira mar, rumo a um clube que não vou dizer o nome.

         Chegando lá um aviso dizia: “9:40h às 11h – Sauna Feminina / 12h às 16h – Sauna Masculina”.  Como eram 10:40h, tive de esperar passeando pelo clube, o que não seria problema se a moça que toma conta da sauna não tivesse retornado do almoço somente às 12:30h.

         Já sabia que teria de pagar cinco reais. A moça da sauna então me disse: “Vou fazer um recibo para o senhor pagar na Tesouraria, que fica logo aqui atrás.” Na verdade, o “logo aqui atrás” queria dizer o seguinte... No sol escaldante de 12:30h subi uns 20 degraus de escada ao ar livre, atravessei uma rua dentro do clube e entrei em uma sala refrigerada (ufa) com uma outra moça no balcão. Mostrei a ela o recibo e a nota de R$ 5,00 e ela disse: “A Tesouraria é aqui em cima”, apontando para mais uma escada. Ou seja, o que pudesse ser mais difícil seria...

         Paguei a taxa, desci a primeira escada, passei pela sala refrigerada, atravessei a rua sob o sol escaldante, desci mais um lance de escadas e eis-me ali novamente em frente à moça da sauna com o recibo pago.

         Ela me disse que tinha toalha (que luxo, pensei) e armário. Aliás, eu só iria mesmo fazer sauna ali se tivesse armário para guardar minhas coisas, pois infelizmente não dá para confiar em deixar nossas coisas ao léu... Prevenido como sou, trouxe até um cadeado, pois vai que tem armário e a moça me diz: “Tá aí o armário, basta trazer seu cadeado para fechá-lo”. Mas nem precisou, pois na porta do armário havia uma fechadura e eu precisava “apenas” conservar a pequena chave em meu poder.

         Perguntei olhando ao redor: “Tem vestiário para eu trocar de roupa?” E ela disse singelamente: “Não tem, mas pode trocar de roupa no chuveiro que não tem problema.” Aliás, nem mesmo um mísero banheiro tinha. Ou seja, a coisa prometia não ser assim tão boa...

         Passados os 30 segundos iniciais, o que começou a incomodar foi o CD de música gospel que tocava a todo volume. Nada contra a música gospel, particularmente, mas qualquer tipo de música tocada a toda altura e repetidas vezes incomoda se não for exatamente o tipo de música que gostamos. Poderia ser funk, axé, pagode ou até fado que incomodaria do mesmo jeito. Alguém já almoçou ao som de fado? Para mim é um fardo, mesmo tocado baixinho, mas para todo tipo de música sempre tem quem goste.

         Entrei então na sauna... Era sauna seca e eu prefiro sauna a vapor, mas até aí tudo bem. Vez por outra imagino que o inferno deva ser uma imensa sauna seca... Ficamos envoltos por um ar quente e sem movimento, fechados em um local do qual não podemos sair e correndo sempre o risco de nos queimarmos nas brasas que existem ao redor. Aquela música que tocava fazia o cenário parecer bem real, pois parecia a cada instante querer me fazer sentir culpado por todos os pecados que eu nem cometi.

         E vez por outra o risco vem de onde nem mesmo esperamos. Dentro da sauna os bancos de madeira, que compunham os 3 andares de arquibancada, não eram daqueles fixos, de preferência presos na parede. Eram bancos independentes de aproximadamente 2 metros de comprimento cada um e suportados por 4 pés de madeira.

         Subi então no banco mais próximo à porta pensando em chegar ao segundo andar da arquibancada. Ao pisar nele, o banco balançou como se eu tivesse pisado em uma gelatina. O mundo não chegou a rodar a meu redor, mas pareceu sair do seu eixo. E o pior é que se caísse dali cairia em cima das brasas que aquecem a sauna.

         Consegui descer e resolvi me sentar no banco seguinte, que felizmente estava seguro. Na verdade, estendi a toalha e deitei. Relaxei? Como relaxar se o som do CD atravessava as paredes de madeira da sauna a toda altura?

         Saí para tomar uma ducha e vi onde estava o aparelho de som. Fui até lá sorrateiramente e abaixei um pouco o volume. Não abaixei demais para a dona não perceber e na volta vi que os rastros de minhas pegadas molhadas eram a prova de quem teria feito aquilo. Melhorou, mas não resolveu...

         Voltando para a sauna, que tal fazer a barba? Quem tem barba deve, ou ao menos deveria, saber como é bom fazê-la em uma sauna. Os poros da pele estão dilatados e a barba é feita suavemente. Logicamente, levei meu aparelho de barbear. Mas onde teria um espelho naquele lugar? Na saída foi que vi uma pia com um espelho na recepção da sauna. Se tivesse descoberto antes devia ter ido até lá todo molhado fazer minha barba?

         Voltei a tentar relaxar deitado em minha toalha, com a música a um volume ao menos suportável e uma preocupação então me veio. A chave do armário não possuía nem mesmo um mísero elástico para que eu pudesse prendê-la ao meu pulso. Tinha de segurá-la como um bem precioso, pois além de poder sumir ao cair da minha mão, ela poderia ainda escorregar por entre as ripas de madeira, que formavam o banco, e eu teria de buscá-la em um chão onde baratas mortas eram vistas aos montes.

         Que saudades do meu clube Trombeteiros em São João Nepomuceno/MG, aquilo sim é uma sauna de nível...

         Tenso pela música que não parava de martelar meus neurônios, pelo medo de perder a chave e por não ter conseguido fazer a barba, decidi que o melhor era eu ir embora. Nesse caso, o que me faria relaxar seria sair dali o quanto antes e pedalar pela orla de volta para casa.

         No caminho pude ver uma mostra da infinita criatividade do povo brasileiro. Um sujeito vinha com 2 sacos com latas vazias de cerveja e de refrigerante. No ponto de parada havia um ônibus pegando passageiros. Ele então colocou os sacos em frente à roda do ônibus. Quando esse andou, passou por cima dos sacos amassando as latas. Assim ficou mais fácil para ele carregá-las.

         De onde menos se espera vem uma solução e de onde mais se espera pode vir uma decepção. Coisas da vida...


...

8 comentários:

  1. Herbert, só resta o Sul do Brasil. :) Agora, o melhor mesmo... para relaxar de verdade... é morar em outro país.

    Hefesto - deus do fogo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deus do fogo deve ser algum morador do Rio 50 graus...

      Excluir
  2. Faltou o Jack na sua sauna, com ele em um par de minutos a musica virava rock, o banco solto ia pras brasas e as meninas emprestariam o espelho delas pra sua barba!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande amigo Dilson, direto de Hong Kong. Faltou realmente o Jack... Que dureza! Abraços, H

      Excluir
  3. Passei pra conhecer e gostei muito.
    Vou ficar cliente ;)
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Anna,
      Que bom que gostou. Apareça sempre por aqui...

      Herbert

      Excluir
  4. H,

    Nossa li e imaginei a sua cara rir de mais.... adoro ler as suas experiencias...kkk torcendo para escrever mais... muito hilário. Bem vindo a primeira capital do Brasil - imagine se fosse a ultima. kkkkk

    Aguardando o livro ...na expectativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Claudia,
      Que bom que gostou... rsrsrs...

      O livro está "na cara do gol".

      Excluir