quinta-feira, 2 de outubro de 2014

O Pesadelo do Livro



          Se o título fosse “O Livro do Pesadelo”, alguns poderiam achar ser esta uma obra de Stephen King (ou um mero plágio talvez), mas o que segue aqui é simplesmente o relato de quantos pesadelos um livro pode ter.


        E, verdade seja dita, até que nasceu bonitinho o tal do livro... Tinha cara de céu e trazia a reboque um jeito sério, meio questionador.


        Foi bajulado, acolhido e muito bem recebido pelos grandes amigos, parentes e familiares. Nem todos o conheceram ainda, mas a vida segue em frente...


        De cara pensou que mereceria estar associado à nobreza e buscou logo um Nobel, mas então lhe disseram: “Menos, menos... Baixe a sua bolinha...”.


        Não se contentou com a recusa e soltou sua voz. Usou então várias Vozes para poder aparecer e através delas vem se espalhando pelo Brasil afora...


Juntou-se então a outros livros e se tornou um Livro Solto (*)... Livre para voar, passando pelos olhares atentos de diversas pessoas e se fazendo conhecer.


         Achou então que a vida era um sonho e pensou: “Agora sim” e quis dar um salto maior. Tentou se engajar de vez no mundo das manifestações artísticas, sociais, linguísticas e comportamentais... Aquilo que se chama Cultura... Mas a duras penas descobriu que ali talvez não fosse seu lugar. A receptividade inicial deu lugar a uma indiferença que abalou a confiança e quase o afogou em um mar de dúvidas. Talvez o que importasse mesmo por ali fossem fama e resultados comerciais. “Business is business”, meu caro livro. Benvindo à realidade dura e cruel...


         Achando-se então não ser merecedor de se juntar ao que chamam de cultura, a existência daquele livro se tornou por um tempo um verdadeiro pesadelo... “Será que não sou mesmo digno de estar ali?”, era o pensamento que o corroía.


         Mas eis que após a tempestade veio a bonança... E após uma Saraivada de pesadelos e dúvidas, algo de surpreendente lhe aconteceu. Conseguiu o berço esplêndido que buscava...


...





          E em um olhar mais atento, é possível ver que não apenas o berço era esplêndido, mas principalmente as companhias, o ambiente e toda a luz ao redor.


          A seu lado estava o imortal Millôr Fernandes. Que honra afinal...

...



(*) conheça um pouco mais sobre o Projeto Livro Solto de incentivo à leitura da Faculdade de Medicina de Petrópolis (FMP/Fase)






...

10 comentários:

  1. Ao lado do livro ´A hora da estrela´, da genial Clarice Lispector. Ela deve ter lido o seu de onde está. Aliás, estamos juntos por aqui.

    Brian Jones.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Brian,

      Pois é, SIMPLES MENTE URBANA estava muito “bem parado” naquele momento. Que continue assim... Amém...

      Excluir
  2. Esse é o cara, que faz e vai conferir no que deu o que fez...
    Parabéns grande amigo e escritor Herbert!!
    Sucesso sempre!
    abraços
    José Benício

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu amigo Benício,
      Você sabe bem como é complicado. Alguma coisa tinha de dar certo... rsrsrs

      Abraços, Herbert

      Excluir
  3. Super criativo !
    Parabéns.
    Karla

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Karla,
      Benvinda ao blog e obrigado pelo comentário...


      Herbert

      Excluir
  4. Heeey! Parabens ! parabens pelo livro e pelos vizinhos de prateleira! Terminei de ler e foi uma otima distracao! escrito de forma leve e suave! Um abraco Herbert!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Catarina,
      Bom saber que gostou. Apareça sempre por aqui...

      Herbert

      Excluir
  5. Luta, persevera e vence ! abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande amigo Dilson,

      Vamos que vamos, sempre em frente!

      Abraços

      Excluir